Estudo sobre violência de gênero em fábricas brasileiras de roupas fornece um 'alerta para a ação'

A violência baseada no gênero e o assédio no trabalho são difundidos no Brasil e até a adoção do primeiro padrão global do mundo sobre violência e assédio no trabalho - C190 - pouco estava sendo feito

Escrito por: Tula Connell - Equal Times - Tradução Google Tradutor • Publicado em: 05/02/2020 - 12:21 • Última modificação: 05/02/2020 - 12:27 Escrito por: Tula Connell - Equal Times - Tradução Google Tradutor Publicado em: 05/02/2020 - 12:21 Última modificação: 05/02/2020 - 12:27

Equal Times

A grande maioria dos trabalhadores das fábricas brasileiras de têxteis e calçados que participaram de um estudo recente diz ter sofrido alguma forma de violência no trabalho, muitas vezes violência e assédio de gênero - na medida em que “para muitas mulheres, o trabalho é sinônimo de sofrimento ”.

Segundo a presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Vestuário (CNTRV), Francisca Trajano, “a coisa mais reveladora deste estudo [ Promoção dos Direitos Humanos e Fortalecimento da Ação e Igualdade Sindical no Setor de Vestuário Brasileiro , atualmente disponível apenas em português] é a extensão da violência no local de trabalho. Estou especialmente surpreso com a extensão do assédio sexual por parte dos supervisores. ”

Cerca de 246 mulheres trabalhadoras participaram de oficinas regionais ou de discussões guiadas entre março e junho, como parte de um estudo do Instituto Observatório Social de trabalhadoras têxteis e de calçados em seis cidades: Colatina, Fortaleza, Ipirá, Pouso Alegre, Sapiranga, Sorocaba e São Paulo .

O estudo, financiado pela filial brasileira da Fundação C&A e realizado com o apoio da organização norte-americana de direitos trabalhistas, o Solidarity Center, descobriu que a forma mais frequente de violência é o bullying, com supervisores gritando e xingando os trabalhadores, ameaçando-os se não o fizerem. produzir no ritmo necessário e assediá-los para usar o banheiro.

O bullying geralmente é direcionado aos líderes sindicais, segundo o relatório, com mulheres sindicais acompanhadas de perto pelos supervisores, que também assediam e até demitem trabalhadores que conversam com eles. A pesquisa mostra que a violência de gênero geralmente se mistura a outros tipos de violência e discriminação, tornando as mulheres afro-brasileiras, as trabalhadoras LGBTQI + e outras especialmente vulneráveis.

As trabalhadoras que participaram do estudo enfatizaram a importância de acordos coletivos para melhorar as condições de trabalho, e o relatório recomenda cláusulas de negociação dos sindicatos para combater o assédio moral e o assédio sexual no local de trabalho. O estudo também recomenda que os sindicatos realizem oficinas e sessões de discussão para conscientizar os trabalhadores de seu direito a um local de trabalho livre de violência. Muitas mulheres entrevistadas desconheciam as leis e outras opções para combater a violência no trabalho.

Além disso, líderes sindicais nos níveis local e nacional que não estavam diretamente envolvidos no projeto mostraram grande interesse em suas descobertas, diz Trajano. "Eles estão refletindo sobre como pensar em como os sindicatos podem ser um lugar onde as mulheres que são vítimas da violência podem recorrer para obter ajuda".

Trabalhadores afro-brasileiros e LGBTQI + especialmente vulneráveis

O assédio sexual, que é uma forma de violência baseada em gênero, é generalizado e às vezes sutil, de acordo com o relatório. "Mas, independentemente da forma, o assédio sexual é uma situação constante", afirmam os autores do relatório. As mulheres geralmente temem denunciar assédio ou agressão sexual e por boas razões: “Em alguns casos, quando levam a queixa aos superiores, as mulheres são ridicularizadas. Em outros casos, eles não têm ninguém a quem apresentar a reclamação, porque o supervisor também é um agressor ”, afirma o relatório.

Como nas fábricas têxteis do Brasil, a violência e o assédio de gênero (GBVH) no trabalho são difundidos - e até este ano, pouco estava sendo feito para corrigi-lo. Em junho, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou o primeiro padrão global do mundo em violência e assédio no trabalho, incluindo GBVH. A Convenção 190 entrará em vigor 12 meses após a ratificação por dois governos nacionais. Em dezembro, o Uruguai se tornou o primeiro país a ratificar o C190.

Para os afro-brasileiros, a discriminação pode começar antes mesmo de serem contratados, com os empregadores frequentemente se recusando a entrevistar trabalhadores negros.

“Uma vez fui a uma entrevista de emprego e [o empregador] disse que não podia me contratar porque eu não tinha cabelos lisos”, disse um trabalhador do vestuário (o relatório não identifica o nome do trabalhador).

Se contratados, geralmente os afro-brasileiros recebem os trabalhos mais difíceis e desagradáveis. "Quando admitidas, as mulheres negras geralmente são designadas para os piores serviços, como trabalhar com cola para sapatos ou trabalhar em máquinas barulhentas e desconfortáveis", segundo o relatório.

As mulheres negras relatam que também são assediadas sexualmente com mais frequência e são culpadas pelo trabalho malfeito, enquanto o trabalho bem feito é chamado de 'serviço branco', diz o relatório.

Os trabalhadores LGBTQI + são alvos frequentes de assédio verbal e bullying, geralmente por colegas de trabalho, e especialmente em torno do uso de banheiros, de acordo com o relatório. Às vezes, os supervisores se recusam a trabalhar com um funcionário LGBTQI +. Se os trabalhadores são vistos como mais 'femininos', é mais provável que eles sejam alvos de violência semelhantes aos sofridos por mulheres cisgêneros / heterossexuais, afirma o relatório. Trabalhadores trans são especialmente vítimas de abuso, segundo o relatório.

"Na empresa em que trabalho, havia uma pessoa que conseguiu um emprego e se vestiu de homem", diz um trabalhador do vestuário. “Após cerca de três meses, ela começou a se vestir como mulher” e logo depois a empresa demitiu o trabalhador.

As mulheres que são mães de crianças pequenas também enfrentam discriminação: alguns empregadores se recusam a contratá-las e, em “uma empresa, o proprietário chegou a dizer que só contrataria mulheres que já tivessem uma ligadura tubária” para garantir que não teriam mais. crianças, de acordo com o relatório.

Em geral, o relatório conclui que as empresas de roupas são organizadas a partir de uma rígida divisão social e sexual do trabalho, na qual as mulheres geralmente ocupam os cargos menos qualificados e com os piores salários.

Aumentar a conscientização sobre a GBVH no trabalho

Um dos principais objetivos do relatório é iniciar um diálogo com os empregadores para buscar soluções para a violência de gênero no trabalho, diz Jana Silverman, diretora nacional do Centro Solidário Brasil. Além disso, o estudo, que examina apenas os locais de trabalho sindicalizados, deve “aumentar a conscientização sobre a prevalência de violência de gênero no local de trabalho, conscientizar a liderança sindical, especialmente a liderança masculina, sobre a prevalência dessa associação na filiação comum." ela diz.

O relatório já criou mudanças concretas. Os membros do sindicato das fábricas de roupas de Pouso Alegre, no estado brasileiro de Minas Gerais, negociaram uma cláusula contratual na qual os empregadores se comprometiam a realizar treinamentos semestrais para os gerentes de combate à GBVH no local de trabalho.

Os sindicatos avaliaram as conclusões do estudo em dezembro e planejam levar o relatório para seus comitês executivos e criar condições para prevenir e acabar com a GBVH por meio de negociação coletiva ou diálogo social com os empregadores.

Trajano diz que o CNTRV, que representa 69 sindicatos e três federações regionais estaduais, está pressionando os sindicatos a negociarem uma linguagem contratual que proteja contra a violência e o assédio de gênero.

O CNTRV está bem posicionado para liderar a campanha de combate à violência de gênero no trabalho. Em abril, as delegadas do 11º Congresso da CNTRV votaram pela paridade de gênero na liderança e adotaram uma agenda pró-direitos das mulheres. Em parceria com o Centro de Solidariedade, o CNTRV, nos últimos anos, dirigiu um projeto nacional de liderança feminina, preparando mulheres trabalhadoras para assumir posições de liderança.

"Obviamente, foi muito chocante para nós quando recebemos os resultados do relatório para entender a extensão da violência no local de trabalho", diz Trajano, que também é membro do comitê executivo do Sindicato dos Trabalhadores no Brasil (CUT). "Ao mesmo tempo, é um alerta para fazer algo a respeito."

Título: Estudo sobre violência de gênero em fábricas brasileiras de roupas fornece um 'alerta para a ação', Conteúdo: A grande maioria dos trabalhadores das fábricas brasileiras de têxteis e calçados que participaram de um estudo recente diz ter sofrido alguma forma de violência no trabalho, muitas vezes violência e assédio de gênero - na medida em que “para muitas mulheres, o trabalho é sinônimo de sofrimento ”. Segundo a presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Vestuário (CNTRV), Francisca Trajano, “a coisa mais reveladora deste estudo [ Promoção dos Direitos Humanos e Fortalecimento da Ação e Igualdade Sindical no Setor de Vestuário Brasileiro , atualmente disponível apenas em português] é a extensão da violência no local de trabalho. Estou especialmente surpreso com a extensão do assédio sexual por parte dos supervisores. ” Cerca de 246 mulheres trabalhadoras participaram de oficinas regionais ou de discussões guiadas entre março e junho, como parte de um estudo do Instituto Observatório Social de trabalhadoras têxteis e de calçados em seis cidades: Colatina, Fortaleza, Ipirá, Pouso Alegre, Sapiranga, Sorocaba e São Paulo . O estudo, financiado pela filial brasileira da Fundação C&A e realizado com o apoio da organização norte-americana de direitos trabalhistas, o Solidarity Center, descobriu que a forma mais frequente de violência é o bullying, com supervisores gritando e xingando os trabalhadores, ameaçando-os se não o fizerem. produzir no ritmo necessário e assediá-los para usar o banheiro. O bullying geralmente é direcionado aos líderes sindicais, segundo o relatório, com mulheres sindicais acompanhadas de perto pelos supervisores, que também assediam e até demitem trabalhadores que conversam com eles. A pesquisa mostra que a violência de gênero geralmente se mistura a outros tipos de violência e discriminação, tornando as mulheres afro-brasileiras, as trabalhadoras LGBTQI + e outras especialmente vulneráveis. As trabalhadoras que participaram do estudo enfatizaram a importância de acordos coletivos para melhorar as condições de trabalho, e o relatório recomenda cláusulas de negociação dos sindicatos para combater o assédio moral e o assédio sexual no local de trabalho. O estudo também recomenda que os sindicatos realizem oficinas e sessões de discussão para conscientizar os trabalhadores de seu direito a um local de trabalho livre de violência. Muitas mulheres entrevistadas desconheciam as leis e outras opções para combater a violência no trabalho. Além disso, líderes sindicais nos níveis local e nacional que não estavam diretamente envolvidos no projeto mostraram grande interesse em suas descobertas, diz Trajano. Eles estão refletindo sobre como pensar em como os sindicatos podem ser um lugar onde as mulheres que são vítimas da violência podem recorrer para obter ajuda. Trabalhadores afro-brasileiros e LGBTQI + especialmente vulneráveis O assédio sexual, que é uma forma de violência baseada em gênero, é generalizado e às vezes sutil, de acordo com o relatório. Mas, independentemente da forma, o assédio sexual é uma situação constante, afirmam os autores do relatório. As mulheres geralmente temem denunciar assédio ou agressão sexual e por boas razões: “Em alguns casos, quando levam a queixa aos superiores, as mulheres são ridicularizadas. Em outros casos, eles não têm ninguém a quem apresentar a reclamação, porque o supervisor também é um agressor ”, afirma o relatório. Como nas fábricas têxteis do Brasil, a violência e o assédio de gênero (GBVH) no trabalho são difundidos - e até este ano, pouco estava sendo feito para corrigi-lo. Em junho, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou o primeiro padrão global do mundo em violência e assédio no trabalho, incluindo GBVH. A Convenção 190 entrará em vigor 12 meses após a ratificação por dois governos nacionais. Em dezembro, o Uruguai se tornou o primeiro país a ratificar o C190. Para os afro-brasileiros, a discriminação pode começar antes mesmo de serem contratados, com os empregadores frequentemente se recusando a entrevistar trabalhadores negros. “Uma vez fui a uma entrevista de emprego e [o empregador] disse que não podia me contratar porque eu não tinha cabelos lisos”, disse um trabalhador do vestuário (o relatório não identifica o nome do trabalhador). Se contratados, geralmente os afro-brasileiros recebem os trabalhos mais difíceis e desagradáveis. Quando admitidas, as mulheres negras geralmente são designadas para os piores serviços, como trabalhar com cola para sapatos ou trabalhar em máquinas barulhentas e desconfortáveis, segundo o relatório. As mulheres negras relatam que também são assediadas sexualmente com mais frequência e são culpadas pelo trabalho malfeito, enquanto o trabalho bem feito é chamado de serviço branco, diz o relatório. Os trabalhadores LGBTQI + são alvos frequentes de assédio verbal e bullying, geralmente por colegas de trabalho, e especialmente em torno do uso de banheiros, de acordo com o relatório. Às vezes, os supervisores se recusam a trabalhar com um funcionário LGBTQI +. Se os trabalhadores são vistos como mais femininos, é mais provável que eles sejam alvos de violência semelhantes aos sofridos por mulheres cisgêneros / heterossexuais, afirma o relatório. Trabalhadores trans são especialmente vítimas de abuso, segundo o relatório. Na empresa em que trabalho, havia uma pessoa que conseguiu um emprego e se vestiu de homem, diz um trabalhador do vestuário. “Após cerca de três meses, ela começou a se vestir como mulher” e logo depois a empresa demitiu o trabalhador. As mulheres que são mães de crianças pequenas também enfrentam discriminação: alguns empregadores se recusam a contratá-las e, em “uma empresa, o proprietário chegou a dizer que só contrataria mulheres que já tivessem uma ligadura tubária” para garantir que não teriam mais. crianças, de acordo com o relatório. Em geral, o relatório conclui que as empresas de roupas são organizadas a partir de uma rígida divisão social e sexual do trabalho, na qual as mulheres geralmente ocupam os cargos menos qualificados e com os piores salários. Aumentar a conscientização sobre a GBVH no trabalho Um dos principais objetivos do relatório é iniciar um diálogo com os empregadores para buscar soluções para a violência de gênero no trabalho, diz Jana Silverman, diretora nacional do Centro Solidário Brasil. Além disso, o estudo, que examina apenas os locais de trabalho sindicalizados, deve “aumentar a conscientização sobre a prevalência de violência de gênero no local de trabalho, conscientizar a liderança sindical, especialmente a liderança masculina, sobre a prevalência dessa associação na filiação comum. ela diz. O relatório já criou mudanças concretas. Os membros do sindicato das fábricas de roupas de Pouso Alegre, no estado brasileiro de Minas Gerais, negociaram uma cláusula contratual na qual os empregadores se comprometiam a realizar treinamentos semestrais para os gerentes de combate à GBVH no local de trabalho. Os sindicatos avaliaram as conclusões do estudo em dezembro e planejam levar o relatório para seus comitês executivos e criar condições para prevenir e acabar com a GBVH por meio de negociação coletiva ou diálogo social com os empregadores. Trajano diz que o CNTRV, que representa 69 sindicatos e três federações regionais estaduais, está pressionando os sindicatos a negociarem uma linguagem contratual que proteja contra a violência e o assédio de gênero. O CNTRV está bem posicionado para liderar a campanha de combate à violência de gênero no trabalho. Em abril, as delegadas do 11º Congresso da CNTRV votaram pela paridade de gênero na liderança e adotaram uma agenda pró-direitos das mulheres. Em parceria com o Centro de Solidariedade, o CNTRV, nos últimos anos, dirigiu um projeto nacional de liderança feminina, preparando mulheres trabalhadoras para assumir posições de liderança. Obviamente, foi muito chocante para nós quando recebemos os resultados do relatório para entender a extensão da violência no local de trabalho, diz Trajano, que também é membro do comitê executivo do Sindicato dos Trabalhadores no Brasil (CUT). Ao mesmo tempo, é um alerta para fazer algo a respeito.



Informativo CNTRV

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.